Imagem ilustrativa

PRADA | A GALLERIA

Moda é imaginação - recém-criada, constantemente aumentada e meticulosamente trabalhada todos os dias pela indústria, com cuidado e amor. No entanto, a magia da indústria da moda é facilmente negligenciada, esquecida - a familiaridade permite a complacência. Uma lembrança da pureza desses sonhos, dessa magia, é a intenção que norteia esta nova campanha de imagens em movimento da Prada: uma nova personagem, Hunter Schafer, e um cineasta, Xavier Dolan, são convidados a examinar a bolsa Prada Galleria atemporal sem expectativas pré-concebidas. De fora, olhando para dentro, capturam o eterno sonho de uma nova moda.

Sem preconceitos, a liberdade total é garantida: Dolan recebeu a independência para criar, para direcionar sua visão pessoal do universo da moda e da identidade da Prada Galleria. A campanha se inspira em um fascínio incessante pela iconografia de nossa indústria. O curta cinematográfico de Dolan parece explorar diferentes aspectos desse sonho: da produção cinematográfica e da moda. Cada um é multifacetado, com muitos ângulos - um reflexo da obsessão de nossa era em mudar, indefinidamente, de ideia em ideia - do repouso à ação dinâmica, da simplicidade à complexidade. Não existe uma narrativa singular, mas sim uma sequência de micronarrativas, como pensamentos, amores, emoções ou sonhos capturados, em diálogo constante entre si.

A pulsação desses sonhos é a moda, vista de fora. Abraçando os códigos e tropos inerentes ao mundo da moda, o filme tem uma pureza, uma ingenuidade, uma alegria. Eles refletem a universalidade: arquétipos das fotos de moda, imaginados por muitos, inocentes e otimistas, idealizados e idolatrados.

Schafer é nossa heroína - uma romântica, uma jovem que imagina seu lugar em suas diferentes fantasias. Saltamos de seu quarto para a imaginação de um ensaio de moda, reflexos universais da moda como imaginada na consciência popular, uma fuga de sua realidade. Mas essa realidade poderia ser ela mesma um sonho: essas cenas são contraditoriamente enquadradas pelo aparato cinematográfico, contidas em sets cinematográficos que evocam a fábrica de sonhos de Hollywood, outra fonte de encantamento sem fim, como o mundo da moda que ela imagina.
Uma presença constante, a fixação de Schafer - sua fantasia - é a Prada Galleria, um talismã da moda. A bolsa é um clássico, cuja personagem é constantemente reinventada, reimaginada, revigorada, tão diversa e multifacetada quanto uma heroína cinematográfica. Mudança, contradição, evolução - sempre e nunca a mesma. A bolsa Galleria aqui é reimaginada em diferentes contextos, diferentes locais e visões, sacudindo entre cenas e cenários imaginários, entre múltiplas micronarrativas, como fragmentos de pensamentos, esperanças ou desejos.

Tanto o cinema quanto a moda transformam a fantasia em realidade tangível: os filmes dão vida à ficção, dão às visões até então imaginadas de seus diretores uma fisicalidade. Nós, como público, podemos compartilhar seus desejos mais selvagens - enquanto atores como Schafer dão crédito às heroínas de faz de conta, imbuindo heroínas não apenas de uma presença literal, mas de uma honestidade, uma pureza, uma verdade. Um grande ator pode ocupar seu papel como um vestido e torná-lo parte deles. E da mesma forma, a moda também cria realidade a partir da inspiração - objetos, preciosos e carregados, que podem então ser possuídos. Podemos tocar e sentir as fantasias da moda, vê-las e compartilhá-las. Eles podem se tornar nossos.

Uma celebração da alegria da moda, emoldurada pela arte do cinema - um sonho, dentro de um sonho.

Créditos Talento: Hunter Schafer Diretor: Xavier Dolan Diretor de Criação: Ferdinando Verderi