Imagem ilustrativa

Terceira edição da conferência “Shaping a Future” do Grupo Prada

O evento ocorreu no dia 8 de novembro de 2019, na sede da Prada em Nova York, nos EUA

Um grupo diversificado e renomado de oradores de instituições globais e do mundo acadêmico, arquitetônico e intelectual, incluindo a poeta americana Amanda Gorman, arquiteta Sir David Adjaye e a campeã paralímpica Simone Barlaam, se reuniram para discutir o tema abrangente da sustentabilidade social nos negócios e na sociedade.

O presidente da Prada S.p.A., Carlo Mazzi, deu o tom para a conferência com seus comentários de abertura. “A sustentabilidade vai além da fronteira de qualquer nação. Devemos lembrar que o progresso não pode ocorrer no vácuo, mas dentro da sociedade”. O arquiteto Sir David Adjaye OBE levou o público a uma jornada por alguns de seus projetos mais importantes, e pelas fundações intelectuais que os sustentam. Um de seus projetos recentes, no Harlem, em Nova York, mostra verdadeiramente “como um edifício pode contribuir para a vida de uma cidade e para as histórias que definem essas comunidades. Não se trata de um gesto simbólico, mas de um gesto comunitário”.

O discurso inspirador do dia foi dado por Simone Barlaam, a talentosa campeã paraolímpica, que falou apaixonadamente sobre estar consciente das diferenças humanas. “Quando estamos abertos a semelhanças e diferenças, entendemos mais sobre nós mesmos. Esse momento de autodescoberta pode nos ajudar a crescer espiritualmente e nos tornar cidadãos melhores do mundo.” Após uma breve pausa para o café, o Yale Center for Customer Insights, em parceria com o Grupo Prada, fez uma apresentação interessante sobre as descobertas de uma pesquisa, dedicada a explorar e entender o impacto da sustentabilidade nas atitudes e comportamentos dos consumidores. O professor Ravi Dhar explicou que os consumidores sempre têm um julgamento - não necessariamente com base em dados, mas em psicologia inata. "Se você não possui dados suficientes, o que as pessoas acabam fazendo? Eles criam seus próprios dados com base em suas crenças.”

A discussão final do dia, um diálogo entre a ilustre professora de pesquisa da Universidade de Nova York, Kate Crawford, e a professora Raffaella Cagliano, da Politecnico di Milano School of Management, capturaram a importância ética e social dos desenvolvimentos em inteligência artificial (IA) e tecnologia da uma perspectiva ética e social. A professora Kate Crawford pediu que a platéia entendesse que “estamos falando de uma profunda mudança de poder nas sociedades em que vivemos. Não temos regulamentação internacional de IA nem salvaguardas.

Essa é uma das questões mais profundas da sociedade hoje. ”Sobre sustentabilidade, ela expôs os três graves impactos da tecnologia sem restrições e da produção de IA. “A tecnologia e a IA são extraordinariamente intensivas em recursos naturais, trabalhosas e extrativas de dados. Em todos os níveis, não estamos construindo a estrutura para tornar isso sustentável. ”A professora Raffaella Cagliano encerrou o diálogo com uma visão positiva de como a conscientização, a responsabilidade e os movimentos populares impulsionarão a IA e a tecnologia a uma força social benevolente.

O evento foi concluído com observações poderosas da analista de política externa e autora Rula Jebreal, que falou de maneira inspiradora sobre a superação do preconceito. “Dignidade, respeito, igualdade, oportunidade. Precisamos defender isso todos os dias. Se não moldarmos este mundo, ele nos moldará. Se não fizermos algo agora, ele nos definirá, nosso presente e nosso futuro”.